As redes sociais mudaram?

Publicado em 24 de maio de 2021 Publicado por Redação BRZ Content
Nada melhor que ter por perto especialistas para tirar suas dúvidas e te ajudar a entender o que é aplicável para o seu negócio

            As redes sociais mudaram? Parece até uma pergunta fora de propósito, não é? Principalmente em tempos que só vemos as variedades de redes crescerem, seja em vídeo, áudio, fotos ou texto. Mas veja bem: não é tão difícil de responder quando fica evidente que as mesmas ações que você fazia nas suas redes há alguns anos, ou mesmo há poucos meses, já não tem o mesmo efeito hoje. Então, sim: as redes sociais mudaram.

            E, aí, vem outra questão: mudaram para pior ou para melhor? Depende do ponto de vista. A grande sacada aqui é ficar atento para as “pegadinhas”, ou seja, o que era bom antes e que hoje não serve mais. 

            Quer saber mais sobre o que funcionava e que hoje já está ultrapassado? Veja aqui os mitos, que ainda hoje as pessoas acreditam (e que já foram verdade um dia!):

Mito #1: Não vale a pena investir em links patrocinados e mídia paga para ter tráfego

Hoje em dia, não investir em links patrocinados e mídia paga significa perder oportunidade de impactar em canais e lugares que seu público-alvo está e nos quais provavelmente seu concorrente já se faz presente e você não.

Seguindo uma analogia, vamos supor que você tenha uma loja em um shopping: você não precisa pagar para divulgá-la. Porém, vai estar no mesmo nível de todas as outras concorrentes. Com a presença digital é semelhante. Ter uma página no Facebook e não a divulgar, por exemplo, é o mesmo. Lembre-se de que mesmo que sua empresa já tenha uma presença online, ela está dividindo o espaço com muitas outras. Por isso, investimento em links patrocinados e mídia paga irão destacá-la.

Um bom conteúdo muda tudo

Uma boa opção é criar segmentações para diferentes públicos via anúncios, que vão impactar o público interessado em um determinado assunto. Ou também pode impactar um público que não seria possível de ser alcançado se não fosse através das segmentações de mídia.

Mito #2: Comprar mídia em apenas um canal já é suficiente!

            Tendo em mente que seu público-alvo pode estar em vários pontos de contatos, dependendo de sua jornada de compra ou comportamento, deixar de testar novos canais não parece ser uma boa estratégia. E o pior: seu negócio pode até mesmo saturar em um canal somente.

            Para testes, o recomendável é criar demandas de poucos investimentos em outros canais para fazer análises de curto prazo. E, após as análises, verificar se tem potencial de colocar mais investimento. Diversificar as campanhas também abre a possibilidade de inovar em um novo canal ou de ser pioneiro no seu ramo.

Mito #3: Não é preciso segmentar campanhas, pois quanto mais gente melhor

            Parece bem óbvio, mas não é possível agradar a todos os mercados. Trabalhar com nichos personalizados tende a ter mais resultados do que querer atingir a todos.

            Deixando ampla demais a escolha do seu público e sua segmentação, você desperdiçará dinheiro e deixará de impactar pessoas relevantes para sua campanha.

Mito #4: Mídia paga tem o mesmo efeito que postar nas redes sociais organicamente

            As conversões dos posts pagos chegam a ser 25% maiores que os posts não utilizados com anúncios. Mesmo sabendo que o alcance orgânico é baixo, isso não é só um dos fatores. O maior deles é segmentar a mensagem do post para um público específico.

            Embora muita gente tenda a clicar mais em posts com muitas curtidas, compartilhamentos e comentários de prova social (social proof), é importante ressaltar as definições das métricas mais importantes que números de engajamento, como conversões no site de destino e cliques.

Mito #5: Não preciso rastrear as URLs

            Iniciar uma campanha sem a definição de URLs trackeadas com o Google Analytics por campanhas de mídia é como ficar com dados no escuro.

            O mais interessante é entender em qual canal, formato ou peça do anúncio o investimento está sendo feito corretamente.

            Com as metas claras e KPIs de performance para ter controle das ações de mudança e otimizar as campanhas no meio do caminho, é possível, de fato, mensurar resultados.

Mito #6: É só seguir fazendo o mesmo que os resultados aparecem

            A mídia paga e os links patrocinados estão sempre mudando. O lance de leilão fica caro, concorrentes sempre estão presentes, novos formatos sempre aparecem e, se não estiver atualizado em novas campanhas, você pode estar perdendo resultados pelos novos updates.

Conclusão

            Quando o assunto é Marketing Digital é comum nos depararmos com “verdades” que são ditas por diferentes fontes. Também é comum ouvirmos de amigos e conhecidos que “fazer X funciona” ou “fazer Y não traz resultado”.

            Mas, antes de assumir essas proposições como sendo verdades absolutas, é preciso entender o contexto ou a forma como essas estratégias foram aplicadas. E, aí sim, entender se fazem sentido ou não para o seu contexto.

            E nada melhor que ter por perto especialistas para tirar suas dúvidas e te ajudar a entender o que é aplicável ao seu negócio.

Divulgue esse artigo
Chiara Papali
Publicado por
Chiara Papali

Deixe seu comentário

Os campos com * são obrigatórios

Artigos relacionados

11/07/2024

Como trazer personalidade a sua marca: estratégias para empresas de serviços

Para ser autêntica e ter destaque no mercado, empresas de serviços precisam saber ouvir seus...

20/02/2024

Media Training 4.0: como funciona e qual a sua importância na comunicação organizacional

Com o avanço tecnológico, as redes sociais se tornaram um novo espaço de influência, redefinindo...

12/01/2024

Marketing médico: como atrair e fidelizar pacientes no digital

De acordo com a pesquisa IPC Maps, especializada em potencial de consumo dos brasileiros há...